Adaptação de livro rosiano vira filme

Com uma área de 1.248 km² e cerca de 26.700 habitantes, Mutum, uma pequena cidade nas chapadas de Minas Gerais, tornou-se cenário e título de uma adaptação da história de Miguelim, personagem do livro “Campo Geral” de Guimarães Rosa (1908-1967).

Além de uma cidade, Mutum, também é o nome de uma ave negra que canta somente durante a noite ou, simplesmente, significa mudo.

Em seu primeiro longa-metragem de ficção, Sandra Kogut mostra os acontecimentos do ponto de vista de uma criança, Thiago, que levou seu verdadeiro nome para dentro do filme.

Cada escolha feita ao longo do projeto era baseada em função das pessoas com a região, para que houvesse uma sensação de conforto, em que atores e não-atores trabalhavam juntos dentro de uma mesma rotina dentro da fazenda, local da filmagem. “Não era uma questão de paisagem. Queria filmar onde tivéssemos estabelecido as relações mais sólidas, onde eu me sentisse em casa e soubesse que poderia contar com as pessoas. A paisagem eram os rostos”, explicou a diretora.

A aproximação entre o filme e o livro dá-se pelas sensações, pois não se aprofunda tanto na sintaxe diferenciada como as criadas pelo escritor. O fato de terem muitos não-atores acabou por render um ar mais humano ao filme. Quando se chorava ou ria, era sempre de verdade, as crianças viviam as emoções, porém a diretora afirma não ser purista, pois tem consciência de que até a “naturalidade” em um filme é construída, “se trata de um filme, não de um retrato da realidade”.

Antes de começar a produzir o filme, Sandra perguntou-se se a história dos anos 50 poderia ocorrer nos dias de hoje, “se ainda seria possível viver de uma forma tão isolada do resto do mundo”. Esse seria o ponto de partida, o fato das pessoas reconhecerem-se na história de Guimarães.

Trabalhou muito com as noções do bem e mal, conceitos confusos para alguém criado na rigidez religiosa pelas mesmas pessoas que agridem (pai de Thiago) e traem (caso subentendido entre a mãe e tio de Thiago).

Sandra comenta também sobre o funcionamento do roteiro, que era repassado aos atores oralmente e que era reescrito diariamente no set de filmagem. “Nada era realmente controlável: imagina um set com crianças, animais, muitas externas, não-atores… A gente trabalhava constantemente no risco e acho que esse risco foi importante para o filme”.

Mutum foi premiado no Festival do Rio 2007 e encerrou a 39ª Quinzena dos Realizadores Cannes 2007.

Nome: Mutum
Diretora: Sandra Kogut
Gênero: Drama
Tempo de duração: 95 minutos
Site oficial:
 www.mutumofilme.com.br

Anúncios

Autor: @AnaVictorazzi

PMO | Marketing Manager | Content and Communication Specialist | Mãe do Preguiça, do Soneca e da Carpet, dois gatinhos resgatados e um idosa ceguinha adotada.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.