E assim vou aceitando…

Que estranha certeza é essa de que ele me ama se já não repara nos meus dias? O que seria esse consolo dentro de mim justificando ele se deitar ao meu lado sem me dar boa noite? Em que momento me cansei a ponto de ficar muda? Quando passei a aceitar ser segundo plano, perdendo para prazeres banais e destrutivos?

Sinto-me devorada por uma tristeza que não derrama lágrimas, que não levanta a voz, que não anda rápido, que não busca solução. É uma dor grosseira e covarde. Uma sensação que acha que se não for sentida talvez não exista de verdade, pois se ele me procurar posso optar por achar que o que vivi não passou de vãos pensamentos. Posso até me sentir injusta com ele. Quem sabe…

Ele se aproveita das minhas fraquezas que faço parecerem qualidades invejáveis e que me anulam numa imensa capacidade de ir aceitando. Aceitando que ele é homem e eu mulher. Aceitando que para mim é mais fácil. Aceitando que um egoísmo aqui e outro ali podem ser normais. Aceitando que ele esteja apenas muito cansado no final do dia todo dia. Aceitando que ele percebe todos os outros a sua volta e me deixa de figurante.

Aceitando que ele não precisa mais me elogiar ou dizer que me ama, pois isso é óbvio, né?

Anúncios

Autor: @AnaVictorazzi

PMO | Marketing Manager | Content and Communication Specialist | Mãe do Preguiça, do Soneca e da Carpet, dois gatinhos resgatados e um idosa ceguinha adotada.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.